- Marinha linha tempo Porta Aviões

PORTA AVIÕES – AKAGI

AKAGI (Trad:- Castelo Vermelho – (castelo situado na província de Kanto))

MÊS / ANO / AÇÕES

06.12.1920 Japão. Iniciada a construção do então “Cruzador de batalha” AKAGI”

19.11.23 Japão. Ainda em construção, iniciada conversão para “porta aviões”.

1927 Japão. Incorporado a frota.

10.12.28 Japão. Como seu terceiro comandante, assume o então Capitão, Isoroku Yamamoto. Na mesma data o navio passa a condição de “Na reserva”.

12.1931 a 11.1932 Yokosuka. Acidente durante o pouso de aeronave obriga a reparos no convés de vôo.

10.1935 a 09.1938 Sasebo. Reforma geral com a retirada do segundo convés de voo alongamento do convés principal e modernização geral, inclusive com a adição de um terceiro elevador (meia nau). Quando concluida a reforma a  capacidade de armazenamento de aeronaves é aumentada de 60 para 91 (66 operacionais e 25 em armazenamento).

1939 e 1940 Mar da China. Apoio ao Exército.

07.12.41 Pearl Harbour. Capitânia da força de ataque do Alm. Nagumo. O Grupo Aéreo do navio compõe-se de 18 caças Mitsubishi A6M2 “Zero”, 27 bombardeiros / torpedeiros Nakajima B5N2 “Kate” e 18 Bombardeiros de mergulho Aichi D3A1 “Val”. As perdas de aeronaves da AKAGI no ataque são de apenas um “Zeke” e quatro “Val”.

25.12.41 Japão / Kure. Chega a base em retorno do ataque.

20.01.1942 Rabaul. Apoio a invasão.

02.1942:

> 19 Port. Darwin. Ataque aéreo.

> 25 Java, cobertura a invasão.

> 27 Mar de Java. Prepara-se para lançar ataque contra o AV 3 USS LANGLEY, mas esta a embarcação é afundada por aeronaves terrestres antes que o ataque seja lançado.

03 e 04.1942:

> 26.03 a 03.04. Oceano Índico e Ceilão. Incursão contra a navegação mercante.

> 09.04:

  • Ataque aéreo contra força naval Britânica.  Nesta operação, entre outros navios, é afundado o porta aviões britânico HMS HERMES, destróier australiano HMAS VAMPIRE, a corveta HMS HOLLYHOCK, o petroleiro ATHELSTANE e os navios mercantes SARGENT (Britânico), e o NORVIKEN (norueguês).
  • 12:30 h recuperadas aeronaves
  • 13:50 h sem aviso prévio, a estibordo do AKAGI caem bombas lançadas por nove “Blenheim IV” da RAF 18th Squadron, com sede em Colombo. Todas as bombas são perdidas, mas o ataque é tão repentino que surpreende as defesas e apenas alguns tiros de AAA são disparados. Este incidente, é a primeira vez que o “Kido Butai” é atacado desde o início da guerra.
  • 19.04.42 Japão. Perseguição, infrutífera, a força americana que lançou o “Ataque Doollitle”.

04 a 06.06.42 Midway. Capitânia da “Força de Escolta Próxima”, da força de invasão. O grupo aéreo da AKAGI consiste em 18 A6M2 “Zero”, 18 D3A1 “Val” e 18 B5N2 “Kate”. Além disso, seis A6M2 “Zeke” do 6th Air Group, destinados à futura guarnição de Midway, são embarcados.

06.1942 Midway:

  • 07:10 h  Vigias do AKAGI detectam os aviões inimigos atacando. Em baixa altitude são seis torpedeiros-bombardeiros Grumann TBFs “Avenger”. A média altitude quatro bimotores Martin B-26 “Marauder”. Dois “Marauders” são abatidos pelos caças e pela AAA (com a de um “Zero”. Dois torpedos são evitados pelo AKAGI. Dois dos B-26  retornam em segurança. (Um deles parece ter sido a fonte de uma história de um B-26 tentando bater AKAGI. Na verdade seu piloto Tenente Muri voou direto para baixo a bordo do convés de vôo. Seu ataque feriu artilheiros e temporariamente desativou a peça “número 3” AAA).
  • 07:54 h Vigias localizam uma dúzia de B 17 “Flying Fortress” da USAAF que lançam suas bombas sem registrar nenhum acerto pois foram liberadas de alta altitude.
  • 10:26 h AKAGI é atacado por três bombardeiros de mergulho “Dauntless” Douglas do USS ENTERPRISE (CV-6), com o seguinte resultado:

Um impacto direto ocorre a meia-nau, próximo a ilha da ponte, iniciando um incêndio em ambos os níveis do hangar.

Segundo impacto corta através dos guardas do “fantail” (“cauda extensão” do convés de voo) e explode sob o quarteirão de bombordo.

Terceiro impacto, no convés de voo ligeiramente a bombordo e avante da ponte.

Apesar do dano ter sido moderado, o navio está em preparativos para um lançamento, com aeronaves armadas e abastecidas no convés e no hangar. O impacto das bombas é potencializado pelas explosões destes aviões dando início a um incontrolável incêndio da gasolina da aviação.

Agrava o fato do navio estar em uma manobra evasiva, com o leme em conversão máxima. O impacto a ré  faz com que emperre a 20 graus para bombordo, deixando-o navegando em círculos largos.

  • 11:46 h  incapaz de comandar a frota a partir do AKAGI o Almirante Nagumo transfere sua bandeira primeiro para o destróier NOWAKI, depois para o cruzador de leve NAGARA.
  • 13:50 h motores de AKAGI trabalham erraticamente, com o navio alternado avanços e paradas, finalmente ficando inerte.
  • 16:00 h o pessoal não essencial já deixou o navio. O capitão Aoki e uma turma de controle de danos permaneçe a bordo. O navio arde durante a noite e na noite seguinte, mas permanece à tona.

05.06.42 Por ordem direta do Alm. Yamamoto o navio é afundado. Disse no momento da ordem: “Eu já fui o capitão de AKAGI, e é com arrependimento que agora devo ordenar que seja afundado.” Os DD  ARASHI, HAGIKAZE, MAIKAZE e NOWAKI dispararam, cada um, um torpedo que, finalmente, o afundou.

Mais de 1.070 sobreviventes são resgatados, incluindo seu capitão, Aoki Taijiro, que foi removido a força. Perda de 263 tripulantes. Sobreviventes, subsequentemente, são transferidos de destróieres para o BB MUTSU.

Glossário: CV >Porta Aviões de Esquadra     HMS >  Marinha Britânica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *